Saúde 05Jul

Perder Peso: Acompanhamento Psicológico é Importante Aliado



Texto: Cláudia Esteves, Psicóloga Clínica

O acompanhamento psicológico, baseado na terapia cognitivo-comportamental, tem-se mostrado um grande e importante aliado no processo de emagrecimento e reeducação alimentar ao trabalhar todos os comportamentos, pensamentos e sentimentos envolvidos no processo de perda de peso e hábitos alimentares mais disfuncionais.
 
Talvez nunca tenhas reparado, mas existe sempre um pensamento que antecede o ato de comer. O que acontece quando temos algum problema é que muitas vezes estes pensamentos são “distorcidos” e podem impedir-te de atingires os teus objetivos. Aprender a lidar com estes pensamentos é o que te ajudará a lidar com os teus comportamentos de forma positiva e adaptativa.
 

Perder Peso: Acompanhamento Psicológico é Importante Aliado

De certeza que já te confrontaste com pensamentos como:
  • “Ir a um restaurante buffet e comer pouco é um desperdício”
  • “Porquê começar hoje a “dieta”, se posso começar amanhã?”
  • “Estou chateada (triste/ansiosa/…), preciso de comer”
  • “É só um pedacinho”
  • “Toda a gente está a comer, também vou comer”
  • “É só hoje, amanhã compenso com muita água (/exercício físico/jejum/…)”
  • “Se não comer o que aquela pessoa me ofereceu, vai pensar mal de mim”
Não é errado nem pouco habitual procurarmos conforto em algo que nos dá prazer, como a comida. Tal como não existe nada de errado em termos emoções negativas. É uma forma natural de sentirmos que estamos com um problema. São desconfortáveis, mas podemos tolerá-las. Normalmente, a melhor forma de diminuir o stress é responder aos nossos pensamentos negativos e resolver o problema associado ao desconforto emocional. Mas muitas vezes é difícil ir diretamente à resolução do problema, especialmente se já estamos habituados a procurar imediatamente conforto na comida.

Torna-se problemático quando este é a única arma que utilizamos para “resolver” os nossos obstáculos. Digo “resolver” porque de facto, este comer emocional vai criar outro problema: vamo-nos sentir mal por não nos termos mantido firmes no nosso plano alimentar e afastarmo-nos dos nossos objetivos! A comida pode realmente ser um ‘distrator’ eficaz, mas… apenas temporariamente. Comer não vai resolver o problema que originou o stress em primeiro lugar.

Ainda que muitas vezes descorado nos processos de reeducação alimentar ou perda de peso, este acompanhamento pode ser realmente útil
  • Pode ajudar-te a ter maior controlo no teu comportamento alimentar;
  • Ajuda-te a definir objetivos razoáveis para o teu processo de reeducação alimentar e manutenção a longo prazo;
  • Fornece estratégias/competências para lidares com quaisquer dificuldades que possas sentir nesta mudança de estilo de vida;
  • Ajuda-te a lidar com a fome: vais aprender a distingui-la de entre necessidade, vontade e desejo;  
  • Auxilia-te a gerir adequadamente as tuas emoções, impulsos e desencadeadores que te levam a comer em excesso;
  • Alterar e ajustar a perceção que tens da tua imagem corporal e as tuas expectativas face à mesma;
  • Melhorar a tua autoestima e sensação de bem-estar;
  • Auxilia-te a lidar adequadamente com a motivação, avanços e recuos ao longo do processo.


Alguns sinais de alerta:

  • Já tentaste perder peso várias vezes, com ou sem ajuda profissional, mas sem sucesso ou tiveste dificuldades na manutenção;
  • Por vezes isolas-te socialmente, evitas convívios que impliquem refeições em grupo;
  • Sentes que não podes parar de comer, controlar o quê ou quanto estás a comer, apesar de não teres fome;
  • Sentes-te desiludido/a contigo próprio/a, depressivo/a ou com sentimentos de culpa após as refeições;
  • Sentes que te confortas com a comida quando estás chateado/a, triste, nervoso/a…;
  • Já consideraste ou por vezes recorre a diuréticos, comprimidos, laxantes, jejum, exercício em excesso, cafés, batidos ou outros estimulantes com o propósito de impedir o ganho de peso;
  • Apresentas um controlo muito rígido acerca da comida (o tipo de alimentos, a quantidade, as horas a que faz cada refeição) e/ou contas calorias obsessivamente;
  • Pesas-te frequentemente, a ideia de te pesares é assustadora e o simples facto de pensar na balança causa-te desconforto;
  • Verificas várias vezes a tua forma corporal através das roupas ou acessórios (furo do cinto, a largura das calças na cintura, etc.).
Com este artigo ficaste a conhecer a existência deste tipo de apoios e acredito que tenhas refletido sobre algumas questões! Estas sessões devem ser da responsabilidade de alguém devidamente formado, certifica-te sempre que és acompanhado por um psicólogo membro da ordem dos psicólogos portugueses. Com a evolução das tecnologias, também as sessões de psicologia se foram adaptando e por isso, hoje em dia, já podes ter sessões no conforto do teu lar, “online”, através de Skype, além das presenciais em consultório. Todo o conteúdo das sessões é confidencial. Aqui encontrarás um espaço dedicado única e exclusivamente a ti, onde terás alguém que te escutará ativa e empaticamente sem juízos de valor.

Se te identificaste com este artigo, consideras que podias beneficiar deste acompanhamento ou tens alguma dúvida que gostavas de ver esclarecida, não hesites em contactar.
 
Cláudia Esteves
Psicóloga Clínica, Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses

claudia.esteves@diariodeumadietista.com
 



Partilha este artigo:

 

PUB

Sugestões Prozis